VELHOS CAVALOS

Os velhos cavalos vagueiam solitários
nas estradas de chão de Liberdade
Percorrem sinuosos as trilhas estreitas dos pastos
no passo sonolento dos idosos.
Os velhos cavalos comem capim ressecado
das beiras dos caminhos da Vala da Forquilha
do Fogão do Jacó da Capetinga da Serrinha.
Os velhos cavalos vibram as caudas peludas
tentanto inutilmente espantar as moscas que os perturbam.
Os velhos cavalos erram sem rumo pelos becos
sem os cuidados carinhosos dos cocheiros.
Os velhos cavalos alquebrados quando morrem
transformam o céu num hipódromo.
(Para Jair Passarelo, Memeco e Juca Teixeira,
antigos cocheiros da minha pequena Liberdade)
 
Anúncios
Esta entrada foi postada em Poesia.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s