TÁTICA DE JOGO

Houve quem duvidasse, mas a ordem era pra ser cumprida. O lateral-direito avançaria, o ponta-direita (falso, diga-se de passagem) faria a ultrapassagem para receber a bola nas costas do adversário, pegaria a bola, correria com ela dominada até a linha-de-fundo, cruzaria sobre a área e esperaria o resultado do lance, fechando em direção à grande área. Enquanto isso, o centroavante mais o homem de meio-campo fechariam pelo miolo da área, enquanto o ponta-esquerda e o lateral-esquerdo, em movimento de porta pantográfica, entrariam pela esquerda. O meio-campo acompanharia nessa avalanche o ataque sobre a área adversária.
Oquei, professor! Tudo certo, professor! Deixa com a gente!
Uma outra ordem: a mesma, só que pela esquerda. Aí os papéis se invertem. Quando o inimigo atacar, o combate será dado da linha intermediária para trás. Nas laterais, ou passa a bola ou o adversário. Os dois juntos, nunca! De preferência, nenhum dos dois!
Oquei, professor! Tudo certo, professor! Deixa com a gente!
O time entrou em campo, jogou conforme o combinado, levou uma surra danada. A torcida pediu a cabeça do técnico, os comentários criticaram o esquema tático, a tevê mostrou os melhores lances do inimigo e os piores do time.
Mas o que doeu mesmo foi o frangaço que o goleiro papou. Logo o goleiro, para quem não houve nenhum esquema especial. E precisava, desgraçado? Era só não deixar a excomungada entrar, seu miserável! Frangueiro de uma figa! Por isso é que não nasce grama onde você pisa, seu infeliz!
Anúncios
Esta entrada foi postada em Conto.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s