DEDOS DE PROSA (IX) – NADA ME ABORRECE

Ontem, após o jogo Botafogo x Flamengo, fui para o Botequim Chalé, ponto de encontro de todas as torcidas que têm algo a comemorar. Pude perceber que, no meio de uma massa de alvinegros eufóricos a gritarem e cantarem o hino do Glorioso o tempo inteiro, apareceram alguns adversário envergando suas camisas. Tomaram seu chope, fizeram seu lanche, sem ser incomodados, sem ser escorraçados dali, como sói acontecer. Gostei disso, porque futebol é apenas um esporte, que, embora nos leve a cometer loucuras, não nos autoriza a agredir os adversários em ocasiões como essa.

Hoje, pela manhã, saí à rua, nas imediações do prédio onde moro, e percebi que o dia está mais lindo. O sol emite raios pretos e brancos alternadamente, numa velocidade estonteante, como na canção de Caetano Veloso, que fica imperceptível para olhos não alvinegros. Recebi alguns cumprimentos pela conquista do meu time, diante de um adversário encardido, para o qual tínhamos sucumbido nos três anos anteriores. Mas, como ontem disse o primo Luís Henrique, na euforia da comemoração, o raio não cai quatro vezes no mesmo lugar. Também, se caísse, seria muita urucubaca, com perdão da má palavra.

Por isso, hoje, nada me aborrece!

Anúncios

Um comentário em “DEDOS DE PROSA (IX) – NADA ME ABORRECE

  1. Paulo disse:

    Raios de sol pretos e brancos? Isto é que é paixão! Parabéns.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s