O RIO DE JANEIRO CONTINUA ENCHENDO

Resolvi fazer a adaptação de letras de músicas conhecidas, para que o carioca, boiando aqui e ali pela cidade com as chuvas que fecham o verão, possa cantá-las durante todo o ano.

Fosse o grande Tom Jobim vivo, já teria alterado também a letra de sua obra-prima Águas de março, para Águas de abril.

Por isso tomei a liberdade de fazer as adaptações. Os verdadeiros autores hão de me perdoar (se não estiverem afogados neste exato momento!).

Quem canta suas mágoas afoga!

PARA O CARNAVAL:

CORDÃO DA BOIA PRETA

Quem não boia e não nada

Segura, meu bem, a prancheta

Em lugar que tem enchente

Pega então a boia preta

Pega a boia, meu bem,

(Pega a boia, meu bem,)

Numa enchente infernal

(Numa enchente infernal)

É na Praça da Bandeira

(É na Praça da Bandeira)

Que você vai se dar mal

Pam! Pam! Pam! Pam!

PARA O ANO TODO:

O RIO DE JANEIRO CONTINUA ENCHENDO

O Rio de Janeiro continua enchendo

Em qualquer mês do ano sobretudo março

E se for em abril é mesmo um estrago

Alô, alô! Realengo,

Sai de baixo!

Alô, alô! Realengo,

Pega teu barco!

Alô, alô! Realengo,

Tu tá afogado!

Alô, alô! Realengo,

Enlameado!

PARA OS SAUDOSISTAS EMPEDERNIDOS:

RIO CAMINHO QUE ANDA

Rio, enchente que anda

E vai afogando por onde ela for

Ah! Quantas pedras rolaram

Das encostas do Rio

Sem pena e amor

Rio, enchente que anda

O mar te espera

Não enchas aqui

Eu já estou afogado

E não há quem olhe por mim!