REGISTROS FORENSES FESCENINOS

Amantes 35, por Nicoleta Tomas Caravia (umcontoparanarciso.blogspot.com).

1. O jovem casal presta concurso público para a secretaria do Tribunal de Justiça. É aprovado. Toma posse e cada um dos cônjuges vai trabalhar em locais distintos, andares diversos, no mesmo prédio. Ambos ainda não completaram trinta anos, são inteligentes, dedicados, bonitos, interessantes. Uma tarde, certo juiz de direito, assessor da presidência, precisa descer de um andar a outro imediatamente abaixo e resolve ir por umas escadas de serviço pouco movimentadas. Encontra os dois jovens – marido e mulher – em pleno ato sexual, na penumbra daquelas escadas quase nunca frequentadas. Por ainda estarem em estágio probatório, foi relativamente simples sua demissão sumária, após comunicação do fato aos canais competentes pelo zeloso magistrado.

Eles conseguiram realizar o grande fetiche de suas vidas: formarem-se em direito, serem aprovados em difícil concurso público para a Justiça e copularem como cão e cadela nos desvãos de uma escada pouco frequentada do Poder Judiciário.

2. Na sexta-feira de manhã, como sempre, faz-se a limpeza do salão nobre do prédio da Justiça, onde se reúne o Tribunal Pleno às quintas-feiras. Naquele dia, de perigosos prenúncios, a jovem faxineira, de olhos claros, touca protegendo os cabelos, iria repetir um gesto que vinha fazendo com frequência em outros ambientes: a felação do seu chefe imediato. Senhor de seus sessenta e poucos anos, o chefe tinha como meta na vida ser sugado atrás da cadeira do presidente da casa. Ele nunca pudera estudar, porém não iria deixar passar a oportunidade para exercer qualquer tipo de poder. E ali, o lugar ideal. Era cerca de nove horas da manhã, quando seu coração parou no justo instante em que a jovem faxineira aplicava sua especialidade bucal. Ele ficou lá, duro atrás da cadeira, a moça desesperada com a cena, todos correndo para socorrer. Era tarde, muito tarde! Por isso, a faxina desandou naquela sexta-feira de perigosos prenúncios.

3. Nilo transitava pelos corredores do fórum há quase trinta anos, extrapolando competências no cartório da Vara de Falências. Agora levava processos para o juiz titular despachar. Quando entra no gabinete do magistrado, encontra a jovem e elegante advogada ajoelhada sob a mesa de despacho, aplicando em sua excelência felação jurídica inicial. Pego de surpresa, o magistrado reage com certa indignação, alegando que não se entra em sua sala sem se anunciar. Com a autoridade que lhe davam tantos anos de trabalho, o serventuário devolve a reprimenda com a informação ao juiz de que seu gabinete não era o melhor lugar para isto. E saiu como entrou, levando a pilha de processos sob o braço. Naquele dia, a vara do juiz foi que faliu!

Esta entrada foi postada em Conto.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s