DIA DE FINADOS

Trago meus mortos dentro de mim
Em não importa que lugar.
Meus avós, vários tios, raros primos,
Raros amigos que a vida dispensou
E que se foram prematuramente.
Se no cérebro, estão sempre a me lembrar de si
Sem incomodarem
De um jeito calmo e pacífico.
Se no coração, com aquela pontada de dor suave
Que sustenta a vida que se leva adiante
Na certeza de que a finitude é a marca humana definitiva.
Não os choro mais como outrora.
Estão comigo como figura e memória
Que me compõem,
Me sustentam.
Um dia também serei assim
E espero que os que ficarem
Também guardem de mim
O tanto que deles carrego como um fardo leve e amável.

 

Van Gogh, Les Alyscamps, 1888, Coleção Niarchos (vggallery.com).

Anúncios
Esta entrada foi postada em Poesia.

2 comentários em “DIA DE FINADOS

  1. Saint-Clair Mello disse:

    Obrigado, amigo. Repeti-me no outro blog, você deve ter visto.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s