ANOTAÇÕES DE AFOGADILHO (I)

  1. No caso da prisão do traficante Nem, nem quero me meter. Nem, ENEM, esse trem é complicado.
  2. Vou transcrever trecho da matéria de capa de O Globo de hoje, para não ser chamado de mentiroso: “A PF monitorava os traficantes por escutas e pediu ao Tribunal de Justiça autorização para rastrear a tornozeleira eletrônica usada por um deles, que estava em regime aberto”. Vem cá, afinal de contas para que servem as tornozeleiras eletrônicas atadas às canelas dos meliantes em regime escancarado? São bijus? Se são colocadas ali, só podem ser rastreadas se a Justiça deixar? Item para a galeria faz-me rir.
  3. O Cônsul Honorário do Congo desonrou o consulado, tentando dar fuga a Nem. Depois vai dizer que nem sabia o que havia no porta-malas do seu carro luxuoso.
  4. Piada da minha terra. Posto de fiscalização entre Bom Jesus do Norte/ES, onde havia uma cancela antes da ponte sobre o rio Itabapoana, e Bom Jesus do Itabapoana/RJ, do outro lado do rio. Na época, acho que o Espírito Santo estava tão rasteiro que fiscalizava tudo que passava por ali: até mulher com cesta de broa de milho pagava imposto. Vai um homem, na boca da madrugada, levando um porco vivo, dentro de um saco de aniagem. O fiscal, a esta altura, tirava um ronco merecido. Pé ante pé, lá vai o homem, sem sacolejar o saco, para manter a calma do suíno. No exato momento de passar pela cancela, que contornaria, o incomodado ente porcino grunhe no breu da noite estrelada, bem abaixo do ronco remunerado do fiscal, que acorda assustado e vê a cena. Ai, seu Carlindo, o que é que o senhor está levando aí? Nada não, seu! Como nada? Aí nas suas costas? Aqui num tem nada, não, senhor! Nas suas costas, seu Carlindo! Isto é um porco, seu Carlindo! Cruz credo, seu fiscal, sabe que eu nem tinha notado! Sai bicho, miserento.
  5. O cônsul desonrado do Congo é o seu Carlindo.
  6. O cônsul desonrado do Congo levou gongo da Polícia Federal.
  7. Polícia prende polícia que dava cobertura a bandido, que cobria esses polícias de dinheiro. No caso, ninguém toma sol pela cabeça: todo mundo está coberto. Uns, de razão; outros, de opróbrio.
  8. Quosque tandem o Bacalhau vai conseguir milagres como o de ontem, em São Janu, pela Sulamericana? O Urubu não conseguiu passar pela Universidade, por óbvios motivos (vai tentar o regime de cotas). O Bacalhau passou raspando, de segunda época, ou recuperação, sei lá!
  9. Para conseguir prender o Nem, a Polícia teve de prender vários policiais. É meio muito, né não? Minha vã infilosofia não consegue entender isso!
  10. Quando a Justiça não autoriza o trabalho investigativo da Polícia, todo este vai por água abaixo, como sucedeu com os processos contra a família daquele senador imortal e imorrível, de tintura no cabelo e farto bigode também entintado, de um estado do Nordeste que possuiu um mausoléu, pelo próprio interessado construído, e uma fundação cultural em sua honra e em sua glória. Deu para desconfiar de quem falo? Não? É o Sir Ney (como grafava o Pasquim).

O cidadão que usa esta biju só pode ser incomodado se a justiça deixar (jovempan.uol.com.br).

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s