O BONDE DE SANTA TERESA

Não moro em Santa Teresa. Nunca andei de bondinho. Mas vejo com tristeza o estado a que chegou este tipo de transporte público no bairro.

Dizer que a vocação de Santa Teresa é ser a Montmartre carioca é um paralelo razoável, por tudo que temos lá em cima.

Dá gosto fazer um passeio pelo bairro, sobretudo na época de eventos artístico-culturais, como o Santa Teresa de Portas Abertas.

No entanto, o bonde Santa Teresa, que já deu música, agora está dando processo na Justiça (leia aqui).

Não entendo nada de transporte público. Não sou especialista nisso. Assim como também não sou urbanista. Mas entendo que um bairro como Santa Teresa, conquanto tenha uma carga histórica importante para a cidade do Rio de Janeiro, não necessariamente tem de conviver com bondes de aspecto velho.

Neste caso, quanto mais moderno for o meio de transporte, presume-se, mais segurança ele oferecerá a seus usuários.

Cidades europeias tão ou mais antigas que o Rio de Janeiro têm a circular em suas ruas bondes moderníssimos na aparência, que em nada destoam de seus conjuntos arquitetônicos. Até mesmo fazem-lhe um contraponto interessante.

A Justiça do Rio de Janeiro suspendeu a licitação preparada pelo Estado, para a substituição de todo o sistema existente, para o que solicitou o auxílio da empresa portuguesa que opera os elétricos de Lisboa.

Não conheço nada do processo, nem do projeto, mas não acredito, de antemão, que tenham o governo e a empresa proposto coisa que não preste, que não seja aplicável ao bairro.

Se, em princípio, os novos bondes estariam circulando em 2014, com essas demandas judiciais, que podem ter muito de interesses políticos variados por trás, levarão a solução do problema para as calendas gregas.

E aí é tudo o que o governo atual, tão descuidado nesta área vital para a Região Metropolitana, vai querer: deixar para a próxima administração a batata quente.

O moderníssimo vlt de Bordéus, na França, diante de prédios históricos (em mestreaquiles.blogspot.com).

Anúncios

2 comentários em “O BONDE DE SANTA TERESA

  1. silva disse:

    O texto é perfeito, porem por incrvel que pareça nesse caso o governo quer modernizar o sistema e a associação de moradores quer que se mantenha o bonde original com mais de 100 anos de uso…´

    Alem de ser a favor dos usuarios pendurados se arriscando…

    O bonde não pode faltar no bairro, mas precisa ser revisto…

    • Saint-Clair Mello disse:

      Obrigado, Silva. Na verdade, há certas coisas estranhas nessa confusão. Se é possível um equipamento moderno e mais eficiente, por que ficar apegado a soluções que já estão superadas?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s