MARACANÃ PERIGOSO

Ouvi há pouco na rádio CBN a notícia de que a juíza de plantão da 13ª Vara de Fazenda, em atendimento a intervenção do Ministério Público, determinou a suspensão do jogo de domingo entre Brasil e Inglaterra, no Maracanã, sob alegação de falta de segurança para o público.

Por que só agora o Ministério Público tomou esta atitude? E quando do jogo inicial em que o público foi constituído pelos operários que lá trabalharam e suas famílias não havia insegurança? Ou operário está mais aí mesmo é para servir de cobaia a testes como esses? Além disso, baseado em que laudo técnico, o Ministério fundamentou seu pedido? Será que foi da mesma empresa que afirmou, no início do ano, que o Engenhão iria desabar sobre a cabeça da torcida e depois se comprovou que nada havia de errado na estrutura do estádio, embora até hoje ele não tenha sido reaberto?

Que diabo de gente é o brasileiro que deixa tudo para a última hora, para em cima do laço tomar atitudes?

Hão de me dizer alguns que antes tarde do que nunca. O que não deixa de ser uma verdade. É melhor prevenir do que remediar, dirão outros. Mas, ó raios! Estamos de saco cheio de ver atitudes tomadas apenas para que seus autores pintem na mídia, com sua cara mais deslavada para dizer de suas graves preocupações, sem que haja realmente o com que se preocupar.

Quero dizer de público que tenho a maior empatia com o Ministério Público e seu valoroso trabalho atual. Mas há de se ter também bom senso.

Há quanto tempo vêm transcorrendo essas obras do Maracanã? O MP colocou alguém de plantão para acompanhá-las e verificar sua correta execução? Ou recebeu laudos periódicos sobre o andamento de tais obras?

Este episódio está a lembrar aquela matéria ridícula que a repórter da Rede Globo Glória Maria fez um pouco antes da inauguração do Sambódromo, na qual apontava falhas, rachaduras, defeitos mais, capazes de fazerem desabar a estrutura projetada por Oscar Niemeyer para os desfiles das escolas de samba do Rio de Janeiro. A pantomima da jornalista foi das coisas mais ridículas que a Globo já produziu, e até hoje o troço está lá de pé. E nunca mais se falou nisso.

A alegação de agora está baseada num laudo da PM de um mês atrás, em que a Polícia informava que as obras não estavam concluídas. Assim o MP – não confunda com PM – teme que haja pedras, pedaços de pau e outros materiais que os torcedores possam usar como arma numa suposta batalha campal, num jogo festivo, que não vale absolutamente nada, e de uma única torcida.

E a juíza, apenas diante de tal solicitação, resolveu atender a este rompante de cuidado do Ministério Público para com o torcedor que lá estará.

Acho que há de haver cuidados. Mas, no caso, me parece mais que o MP está jogando para a arquibancada.

Daqui há pouco, talvez, a liminar da juíza será cassada por instância superior.

 

Imagem em ralphbraz.blogspot.com.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s