BUENOS AIRES NÃO É MAIS A MESMA

Tirante as novidades, Buenos Aires continua sendo aquela cidade mais europeia fora da Europa. A sua arquitetura, suas ruas e avenidas largas são marcas registradas. Dá até uma inveja danada, se pensarmos na maioria das cidades brasileiras. E o que há de parques, jardins e escolas por aqui! Algumas destas últimas invadidas por estudantes que protestam e fazem parrilha diante de suas escadarias, como pudemos ver na Avenida Córdoba.
Já brinquei algumas vezes, dizendo que o que prejudicava Baires era o excesso de argentinos. Pois quero retirar o que disse, quero retratar-me sem embargos declaratórios e infringentes: o tratamento que estamos recebendo aqui não tem nada a ver com aquele de janeiro de 1976. Houve uma mudança escandalosa. E para melhor! Mas dá até para entender, se pensarmos na época e em todos os desdobramentos por que passou o povo.
Aquela antiga soberba não a encontrei mais. Diferentemente, o portenho tem-se mostrado simpático e solícito, com raríssimas exceções. Até conversei sobre futebol agradavelmente com um orgulhoso torcedor do San Lorenzo.
Contudo as calçadas do bairro onde estamos não estão bem conservadas: várias com depressão, com defeitos no piso, com entulhos, o que dificulta o deslocamento, sobretudo, de idoso, deficientes e mães com carrinhos de bebê. Ou avós, como é o meu caso e o da Jane.

Também os preços não estão nada bons para os padrões brasileiros. Não sei para os próprios habitantes o estão. Quando, da outra vez em que aqui estive, um jovem me perguntou sobre o valor de um prato de bife com fritas e se espantou com os valores brasileiros de então. Hoje está justamente o contrário: espantamo-nos com os preços daqui. Roupas e calçados, então…

Apesar de tudo isso, a cidade continua portentosa em seu urbanismo. Andamos por muitos lugares, ruas e avenidas e não percebemos a crise de que eles reclamam: os cafés, restaurantes e lojas andam cheios.

Floralis genérica, escultura doada à cidade de Buenos Aires pelo arquiteto Eduardo Catalano (foto do autor).
Floralis genérica, escultura doada à cidade de Buenos Aires pelo arquiteto Eduardo Catalano (foto do autor).

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s