VOU ABRIR AS JANELAS

vou abrir a janela do meu quarto sobre a cidade
e ver a chuva fina cair
como o derradeiro choro dos impossíveis
dos insondáveis mistérios humanos.

vou abrir a porta que dá para a rua
e deixar penetrar a umidade fria
dessas noites solitárias de agosto. 

os tempos não estão para peixe
assim como o mar em frente.
os dias não estão tão claros
como o horizonte dos pessimistas. 

vou abrir meus olhos duros
sobre o concreto aparente dos edifícios
sobre os viadutos os muros
e sonhar com as tardes luminosas do mês de outubro.

Bicuda, Macaé-RJ (foto do autor).
Bicuda, Macaé-RJ (foto do autor).

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s