NA ESTRADA

 

Tenho viajado tanto a Miracema e Bom Jesus, que posso dizer que sou quase amigo dos quebra-molas e pardais. Pelo menos tenho recebido alguma correspondência da autoridade de trânsito me lembrando de que passei por alguns deles, no excesso da preguiça dela e na urgência da minha pressa.

Para que não me repita, escolho às vezes ir por Nova Friburgo. Outras vezes, por Teresópolis. De qualquer forma, tenho de subir montanhas, serpentear estradas, varar municípios, parar nos mais diversos pontos para um cafezinho, para o xixi, para o almoço, ou mesmo para espichar um pouco as pernas e a coluna. Enfim, para uma infinidade de motivos que alongam a viagem, mas a tornam menos cansativa e estressante. E, como tenho de repeti-la com frequência, procuro tirar o maior proveito. Tantas vezes paro para fotografias. É uma árvore florida, outra pelada, uma paisagem interessante. E lá vou eu, sempre de posse de minha câmara, registrando aspectos de uma natureza sempre propícia a se renovar.

Devo confessar que não tenho muito prazer em dirigir, mas o faço sem mortificação. Há a necessidade. E contra a necessidade não se pode ir. Por isso, aproveito.

Já conheço pessoas estrada afora, de cujo nome bem não sei, mas que já presenteei com cd ou com livros. É só puxar assunto e observar o interesse do meu interlocutor, para que me disponha a esse gesto. Sou daqueles que pensam que é melhor parar para uma prosa do que chegar cedo demais. Pode-se ganhar mais tempo com esses prazeres do que com o adiantar da hora.

Todo o caminho é o caminho que se faz, por isso a possibilidade de fazê-lo mais interessante. Eu me repito? Acho que não. Assim também é o caminho. Embora sejamos sempre os mesmos, podemos nos descobrir a cada quilômetro, a cada momento.

Tenho me repetido tanto, sendo diferente a cada vez, que já não encontro sempre as mesmas pessoas que me atendem no cafezinho, por exemplo, à beira da estrada em Ibipeba. E, por isso, tenho de me readaptar, tentar conquistar novamente a simpatia da mocinha que faz o café no momento exato em que o solicito. Depois da segunda vez, parece que sou velho conhecido.

E assim vou (re)fazendo o caminho que me faz retornar às origens – da vida e dos sentimentos –, com o prazer renovado por tão novos e mesmos trajetos.

Paisagem à margem da RJ-116, em Miracema-RJ (foto do autor).

Paisagem à margem da RJ-116, em Miracema-RJ (foto do autor).

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s