CARNAVAL 2017: ECOS, BALANÇOS E SUGESTÕES

Pensei em fazer o balanço do Carnaval carioca de 2017, mas fui furado, no sentido jornalístico do termo, pelos carros alegóricos de algumas agremiações que balançaram tanto, mas tanto, que produziram sequelas em seus foliões.

Tentando explicar o que aconteceu, mas sem conseguir, devo dizer que a violência do trânsito nacional chegou à avenida dos desfiles. Carros gigantescos, parecidos com aqueles caminhões-cegonha, empurrados no muque por um grupo esforçado de ajudantes, guias e chapas, atingem velocidades espantosas, que não os permitem frear ou desviar-se de cercas, balaústres, repórteres e foliões.

É bem verdade que, para agravar os acidentes, é preciso reconhecer que os participantes da festa, encantados com a beleza do desfile, não percebem aquele veículo descomunal vindo em sua direção. Estáticos, como que dominados por uma força superior, deixam-se esmagar contra a cerca ou ser atropelados. Outros se precipitam do alto das armações dos carros, todas feitas segundo indicação técnica do serralheiro da esquina, com o propósito de obter, nos dias subsequentes à folia momesca, o competente atestado médico, que os livre do trabalho forçado entre a Quarta-Feira de Cinzas e o desfile das campeãs.

Mas o meu amigo Zatonio Lahud Neto, em seu Blog do Barão (clique aqui para acessar) já adiantou que “o melhor acidente vai contar pontos no desfile da Sapucaí em 2018”. Na esteira de seus fundamentos, como dizem os juristas, sugeri que a soma dos pontos cirúrgicos também entre na contagem geral da apuração das agremiações e que tal quesito passe a ser o principal para o desempate.

Se assim for procedido, as GRES contratarão técnicos especializados em demolição para planejar os acidentes, que poderão ocorrer a qualquer instante do desfile, desde que observado o tempo regulamentar de apresentação. Apenas será proibido o uso de material explosivo, já que sua utilização pode dilacerar os corpos, de modo a não permitir as suturas pontuais. Isto abrirá mais uma frente de trabalho no país, tão necessitado de baixar o índice de desempregados.

A LIESA, preocupada em fazer sua parte, poderá contratar uma UTI móvel, que fará a costura nos acidentados e registrará a quantidade de pontos cirúrgicos em cada folião. Dois médicos especialistas assinarão o laudo, de modo a se prevenirem possíveis fraudes.

E a Quarta-Feira de Cinzas, dia da apuração do desfile, passará a ser conhecida como a Quarta-Feira das Suturas.

Se a sugestão do amigo Zatonio e este meu adendo aqui não forem acolhidos pela direção da LIESA e o próximo Carnaval se transcorrer do mesmo jeito esquisito deste de agora, seria de bom alvitre, para continuar no linguajar juridiquês, que se destaque um batalhão da Polícia Rodoviária Federal para fiscalizar os carros alegóricos. Ou se construam quebra-molas ao longo da avenida. Do jeito que está, ano que vem será uma carnificina na avenida, pois a grandiosidade da festa assim exige.

 

Resultado de imagem para acidentado

Imagem em desjuridicando.wordpress.com.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s