POEMAS MÍNIMOS III

I

Em poeminha
Sucinto
Quando não omito
Minto

II

Inversamente
Ao inverso
Há no texto
Que teço
Menos prosa
Do que verso

III

Em cada verso que escrevo
Nada há de concreto
Mesmo cheio de substantivos
E de tantos objetos

IV
LUA NOVA

Lá fora
A lua nova
Na escuridão da noite
Espera que eu saiba as horas
E lhe indique o caminho a percorrer
Aqui dentro
A desoras
Espero que a lua nova
Me aponte apenas
Na claridão do dia
Um jeito simples de sobreviver

 

Lua nova em Lumiar (foto do autor).

Anúncios
Esta entrada foi postada em Poesia.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s