TRAQUINAGEM POÉTICA





Aristóteles e Horácio, na Antiguidade Clássica, lançaram as bases da arte poética, posteriormente atualizadas ao espírito do Renascimento por Boileau, poeta francês do século XVII, que também lançou sua Arte poética, em Paris, em 1674.
Como não desejo passar em brancas nuvens neste universo, mas tendo o senso de minhas limitações caboclas, permito-me também marcar minha estada no ambiente com estas minhas observações acerca do fazer poético, que resolvi chamar de Traquinagem poética, em que arte assume outro de seus sentidos, coisa que toda criança sabe muito bem o que é.
E seja lá o que Boileau quiser!

I.
O POETA E O VERSO
O poeta tenta
Num esforço de besta
Um verso de esteta.
Esquenta a cabeça
Rasga folhas
Racha a testa
E a porra do verso
Não presta. 

---------- 
II.
VERSO DE PÉ QUEBRADO
Distraído
O poeta ébrio
Tropeça no metro 
Do seu próprio verso
De pé quebrado
Como aliás ficou
O inglório pé
Do poeta ébrio
Após esse tropeço.

---------- 
III. 
VERSO LIVRE
O poeta está preso
Ao verso livre
E disso não escapa.
Recusa o metro sincrônico
Que amarra o verso.
Mas não tergiversa
E continua controverso
Em sua luta
Pela liberdade do verso.

---------- 
IV.
RIMA RICA I
A rima rica
Escrita	
Sobre a folha em branco
É como pérola perdida
Daquelas lançadas aos bichos
Que se depositam em bancos
De jardins de lixo. 
Se tanto!

---------- 
V.
RIMA POBRE
Às vezes
Quando pode
O poeta se socorre
De uma rima pobre.
E se alguém lhe censura
Tal recurso antiesteta
Como um urso vocifera:
Vá à merda!

---------- 
VI.
O COROLÁRIO DO POEMA
Versos iâmbicos 
Versos esdrúxulos
Palíndromos
Anacolutos 
Palimpsestos
Papiros incompletos.
Todo poema
É um susto do poeta.
E o leitor insone
Que de poesia nada entende
Fica com cara de anteontem.

----------- 
VII.
ALQUIMIA POÉTICA
O lavor do poeta não cessa:
Metáforas herméticas
Metonímias diretas
Elipses cortantes
Preciosos hipérbatos
Silepses perfeitas
Linguagem escorreita
E alguma coisa imprecisa
Que faça do seu verso
Uma festa. 

---------- 
VIII.
DILEMA DA FORMA
Entre um poema clássico
E um moderno
O estro do poeta vacila.
Ora uma rima inesperada
Ora uma aliteração cristalina
E a liberdade de versos brancos
Pululam em sua oficina
De poesia bissexta.
E o poeta hesita
Se publica ou não publica
Aquela poesia esquisita.

---------- 
IX.
RIMA RICA II
A rima é rica
Mas o poeta é pobre
A rima escorre
Como uma baba mole
Pelos dedos magros
Do poeta insone
Pela madrugada
Aberta sobre o nada.
E pela manhã cedinho
Aflora mais um poema disforme...

------- 
X.
VERSOS E ESTROFES
Tercetos e quartetos
Quintilhas e sextilhas 
Alexandrinos debordados
Trovas incontidas
Dísticos e sonetos
Espalhados aos quatro ventos.
Mas para o ano
Só martelo alagoano.

---------- 
XI.
A GÊNESE DO POETA
Não nasceu Horácio
Não nasceu Homero
Não é Petrarca
Camões não é
Ou Virgílio
Ou Dante Alighieri
Muito menos Baudelaire
Rimbaud Bocage Chaucer
Shakespeare 
Gregório ou Góngora
Drummond de Andrade
Prévert ou Poe.
Como poeta
Soa como um grou 
Um corvo 
Uma acauã soturna.
Sua voz cavernosa
Canta versos sombrios
Anunciando o inferno
E seus desafios.

---------- 
XII.
PROSA E VERSO
O avesso do verso
É bem que não presta
Na imaginação do poeta.
Tudo que se diz em letra
Há de ter o ritmo certo
O metro correto
Uma dolente cadência. 
A estética do canto
Está acima do desencanto
Da prosa.
E só o poema se salva
Desde que Adão e Eva
Se perderam
No paraíso primevo
Crê o poeta.
Nicolas Boileau, poeta francês do século XVII (imagem colhida na Internet).

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s