A NÃO SER QUE VOCÊ DIGA QUE ME AMA

A vida sempre me deu dores suportáveis
E alegrias comedidas
Nem sempre o sol abrasou demais
Nem o frio queimou a pele ao extremo
Aprendi a viver sem excessos
E a tirar das coisas mais simples
Os prazeres que nos deixam mais humanos
Menos egoístas
E a beleza que nos encanta
Desde o canto triste de um pássaro engaiolado
Até o pio soturno de um bacurau no mato 
Nada do que é natural me espanta
E tiro lições das coisas e dos fatos
Para não me achar mais valioso que os outros
Não valho um centavo a mais do que valho
A não ser que você diga que me ama

Foto do autor.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s