LOST WORLD (MUNDO PERDIDO)

O título desta crônica está em inglês, porque o assunto vem dos Estados Unidos, e eu quero mostrar que também sei um pouco da língua do Pato Donald.

Li, com um misto de estarrecimento e bacon, a notícia de que uma jovem prostituta americana, de carinha cândida (Pelo menos, é o que pude sentir por sua foto na matéria.), de apenas vinte e um anos, deu dois tiros na cabeça do seu cliente, sob a alegação de que ele não sabia fazer o famoso cunilingus.

O infausto cliente, que ainda teve a sua carteira roubada pela jovem, após se safar de ir para a cidade dos pés juntos, estava um tanto aéreo, sem saber o que de fato lhe tinha acontecido.

Presa, a mocinha explicou ao xerife que atirou apenas porque não sabia como dizer ao homem que ele estava fazendo tudo errado.

Imagine se, sempre que alguém não souber dizer ao outro aquilo que deseja, resolva despejar sobre o interlocutor uma saraivada de balas? É uma coisa de doido!

Acho bastante factível que seja possível errar o alvo nesses momentos. A pessoa fica excitada, nervosa, e a pontaria nunca sai perfeita. O homem, e não a mulher, lógico! Mas o amigo leitor há de convir que é estranho que uma prostituta fique chateada com o equívoco. A não ser que ela quisesse, de fato, praticar o ato com todas as suas consequências gozosas, prazerosas e, por que não dizer, libidinosas. Pelo que se sabe, o serviço é sem emoção. Mais ou menos como um funcionário público metendo o carimbo num requerimento qualquer.

No entanto, sem conhecer a tabelinha orgânica da moça, fico a imaginar que ela estivesse na tal fase da TPM. É que há algumas mulheres que, no auge da crise, são capazes de dar tiro a esmo, até por motivos de somenos importância. E o infeliz do cliente contratou o serviço da jovem justamente durante o clímax desse incômodo e quase pagou com a vida por um pequeno erro de cálculo. Ou de execução!

Por isso é que aproveito também para alertar os possíveis viajantes àquele país que o nome da moça é Marissa Wallen e presta seus serviços na cidade de Washington. Acho que até bem próximo à Casa Branca. Ou White House, na língua de Donald Duck e Donald Trump.

Este mundo está mesmo perdido!

Take it easy, man!

Imagem relacionada

Imagem em dreamstime.com.

———-

PS: Se quiser ver a notícia, clique aqui.

Anúncios

JUCA JUQUINHA JUCÁ

Da série CANTIGAS DE ESCÁRNIO E MALDIZER
Este poeminha estava pegando poeira no disco rígido do meu computador, mas nunca perdeu a atualidade. Então resolvi dá-lo a lume, como se dizia.
JUCA JUQUINHA JUCÁ
Ainda que eu seja jeca
Eu cá já não me iludo
Com jaca jacu jacá
Com preá e caramujo
Ou paca tatu gambá
Com tracajá e sabujo
Com pacová e gamela
Ou com político sujo
Ainda que ele seja
Muito vivo ou já de cujus
Juca Juquinha ou Jucá
E palmital de pupunha
Há esperanças no ar
Pois se o Cunha levou cunha
Os outros hão de levar
Se Deus quiser! Saravá!
Resultado de imagem para xadrez
Imagem em elo7.com.br.

MAIS UM FIM DO MUNDO À VISTA

O mundo vai acabar outra vez, no próximo dia 23 de setembro. É o que calculou o numerólogo britânico David Meade, com base na leitura da Bíblia.

Estou-me preparando para mais este fim do mundo.

Não aguento de tanto preparo! Toda vez que anunciam a extinção da vida no planeta, reúno todas as minhas memórias, faço um balanço das minhas culpas, omissões e preguiças, vejo que tenho muito mais débito do que crédito e fico torcendo para que o transcendente seja apenas uma ilusão humana. Caso contrário, estarei lascado na eternidade.

Como sei que numerólogos, astrólogos, magos, bruxos, economistas e comentaristas de futebol jamais acertam em suas previsões, dormirei tranquilo até a véspera da catástrofe. No dia 23 acordarei em pânico, irei correndo à nova cafeteria aberta na Miguel de Frias, em frente à banca de jornal do Antônio, beberei o último cafezinho do universo e ficarei à espera da derrocada final e irreversível do nosso planeta.

Não sei se o tal entendedor de números calculou que o Universo que conhecemos também entrará em colapso, ou se só a Terra está com esta nuvem negra sobre ela. Apenas li a notícia até ver seu nome, na terceira ou quarta linha, para que o trouxesse aqui para você, leitor, pois, caso seja mais uma mentira desse tipo de gente, poderemos mover, num tribunal em Londres, processo contra ele por falsidade, prejuízo moral e pânico infundado.

Mas o interessante é que ainda não tinha visto notícias de que o mundo deveria ter acabado neste ano. Comumente somos assaltados, assim que começa o desfolhar dos dias, com algumas notícias deste jaez (Manja jaez, leitor amigo?)

Segundo a notícia, o tal entendido nos algarismos arábicos fez o cálculo a partir do último eclipse solar no hemisfério norte. Nele estariam os indícios de que iremos para o beleléu. Espero que apenas o hemisfério norte, já que os que vivem abaixo da linha do Equador não tiveram a ventura de ver tal fenômeno.

Enfim, esperemos. Mais uma vez, esperemos estoicamente se a previsão de mais este idiota se concretizará. Caso ela se concretize, retiro o idiota. Mas, aí também, já não dará mais tempo para nenhum tipo de retratação.

E seja o que o eclipse quiser!

Resultado de imagem para fim do mundo

Imagem em super.abril.com.br.

VERGONHA E TEMOR

Ainda me resta um pouco de vergonha na cara, aquele sentimento íntimo de dignidade que meus pais tentaram incutir em mim desde que meus ouvidos se abriram para o mundo. Por isso é que fico envergonhado em ouvir as mais esfarrapadas desculpas de muitos de nossos políticos tentando explicar o inexplicável, o chamado batom na cueca. Não há um único que tenha a dignidade de chegar a público, reconhecer o erro, submeter-se ao julgamento judicial e pedir desculpas à população por sua conduta. Por muito menos, já assistimos na tevê, em janeiro de 1987, o secretário de fazenda – Budd Dwyer – do estado da Pensilvânia matar-se com um tiro na boca diante das câmaras de tevê, envergonhado por ter sido pego em corrupção. E foram apenas 300.000 dólares a grana que embolsou! Troco, para os nossos padrões.

A consequência de uma série de atos de rapinagem que agora vem a descoberto é esse país mergulhado numa profunda crise econômica, social, política e ética, que deixa os cidadãos com um mínimo de prurido moral com vergonha de ser brasileiro.

Nós mesmos construímos isso que aí está. Somos os responsáveis diretos ou indiretos por fazer ascender aos cargos de mando do país uma corja de larápios do dinheiro público. E vemos, deste modo, hospitais em ruínas, escolas à míngua, infraestrutura em frangalhos, economia de pires na mão e o desemprego assolando milhões de lares brasileiros.

O ex-governador e atual presidiário Sérgio Cabral ainda teve o desplante de dizer que deixou o governo fluminense com a população quase em estado de euforia por sua administração. Além de corrupto, é um cínico! E alguns desses que estão presos continuaram a receber as propinas a “que faziam jus” por seus acertos escusos, como o doleiro Lúcio Funaro e o ex-deputado Eduardo Cunha.

E nenhum desses que aí estão com a carne exposta admite a mínima culpa. Nem mesmo explica a carona num jato particular. Como admitir, então, a suposta posse de imóveis, a existência de contas recheadas de dinheiro desviado, a ocorrência de acertos indecentes para o assalto ao bem público?

A se condenar apenas os que assumem a culpa e reconheçam sua conduta indevida e criminosa, não se inscreverá no rol dos culpados um único político. Todos eles alardeiam inocência, desconhecimento de fatos que pulam na nossa cara, tanto quanto as consequências de sua rapinagem, que levou o país a este estado de coisas.

E os nossos tribunais superiores, hem? Com os seus membros indicados pelos governantes, não há como esperar deles qualquer tipo de isenção. Desgraçadamente está enfim chegando à luz do dia a função básica para que foram criados: fazer o jogo do poder, numa política de troca de favores. É difícil pensar que um magistrado nomeado por um presidente ou governador tenha a isenção necessária de julgar algo que vá contra aquele que o nomeou. Seria necessário que ele se desse por suspeito, pelo menos no sentido jurídico do termo. Mas como esperar isso? Então os nossos tribunais superiores estão muito mais para órgãos de validação das ações do poder, do que para o exame isento de tais ações.

No fundo, fica a sensação de que a sociedade civil, representada por nossa classe política, perdeu a oportunidade de construir um país decente, a partir do fim da ditadura militar. Esbravejávamos contra a presença dos militares no comando do país, fomos às ruas e praças do país pedindo, exigindo o retorno do sistema democrático representativo, o direito a que nós mesmos escolhêssemos nossos mandatários, e escolhemos patrícios cheios de cupidez.

A nossa classe política, com seu comportamento imoral, que levou o país a isso que aí temos, dá munição para que os que têm horror à democracia de vir à tona bradando pela volta de regime de exceção. Os mais novos não têm noção do que seja isto, embora o panorama atual seja execrável.

Por isso, este misto de vergonha e temor. Aonde chegaremos?

Imagem relacionada

Hieronymus Bosch, detalhe de Cristo carregando a cruz, séc, XVI, Museu de Belas Artes de Ghent (em ufgrs.br).

CORDEL DA ESPERANÇA

Quanto mais vil a vileza
Maior é a vilania
Quanto maior a empresa
Mais o covil se amplia
É como se a certeza
De impunidade haveria.

Tanto mais a grana entra
Mais grana deve entrar
Se o covil tem cem ladrões
Outros há de comportar
Conquanto a fonte não seque
Não há ladrões a faltar.

Tanto mais o trem tá mole
Presume-se amolecer
Mas se o trem anda duro
Tá mais para endurecer
Se a cana não é caiana
Que cana ela há de ser?

E não se engane o esperto
Na presunção da certeza
De que é incerta a cana
Neste país de surpresa
Um dia a casa cai
E vai com ela a esperteza.

E não vão adiantar
Desculpas esfarrapadas
Diante de tantas provas
A serem apresentadas
Para que as penas enfim
Possam ser determinadas.

“Esse não sei, não conheço,
Aquele não sei quem é
Não tenho dinheiro em conta
Não vivo de capilé
Sou inocente eu juro
Minha profissão de fé.

Nem mesmo telefonema
Reconheço que eu fiz
Se meu nome está na lista
É coincidência infeliz
Sou puro desde a nascença
Inocente de raiz.

Nunca fiz um malefício
Nunca roubei da nação
Nunca traí meu país
Nem iludi cidadão
Sou pobre, simples e puro
Sou santo por profissão”.

Mas o desejo sincero
Do campo até a cidade
É conseguir pôr um fim
Nessa desonestidade
Para que a vergonha volte
À nossa sociedade.

Tomara que os corruptos
E a sua corrupção
Encontrem a cana pronta
E na mesma proporção
Dos malefícios causados
A esta triste nação.

Para que seja possível
Um dia o povo sorrir
E ver surgir no horizonte
Resplandecente porvir
Sem que se frustre a esperança
Que certamente há de vir.

Flor do Parque da Cidade; Niterói-RJ (foto do autor).

A CARNE É FRACA, MAS A PROPINA É GORDA

 

A opinião pública brasileira ficou espantada com a operação Carne Fraca da Polícia Federal. Primeiro, porque passou a desconfiar, sem deixar de comer, da qualidade da carne brasileira. Segundo, porque não sabia que a inspeção federal, traduzida naquele carimbo azul na gordura da picanha, seria para valer. Achava que era tão-somente um elemento decorativo na peça carnal. Terceiro, porque aguardou por uma queda significativa no preço da carne e isso não aconteceu. O churrasco do fim de semana continuou valendo o mesmo cascalho que antes. Queda acentuada, apenas na vergonha nacional. Se bem que não sei se há mais como cair!

Por outro lado, ficou também preocupada com a repercussão internacional que a operação desencadeou. Vários importadores da carne nacional suspenderam seus pedidos, em nome da segurança alimentar de seu povo. Como a China, por exemplo.

O governo chinês, cioso de sua responsabilidade sanitária, foi um dos primeiros países a barrar a continuação da entrada de carne bovina brasileira no país. Ficou muito desconfiado de que nossa inspeção não seja confiável, mas apenas coisa para inglês ver. Mais ou menos por aí. E manteve a permissão de que seu povo continue a comer carne de cachorro, escorpião, cobra, grilo, gafanhoto e um bom número de outros insetos voadores e rastejantes, servidos em restaurantes populares e barraquinhas de feiras livres, com todo o cuidado higiênico possível.

Também a desenvolvida e rica Coreia do Sul voltou a comer cachorro, até que comprove que nossa carne não faça mal à sua população. Não o cachorro-quente, é óbvio, mas aquele canídeo quadrúpede, parente próximo do lobo, que nas altas esferas também atende pelo nome de cão.

Isso só para citar dois exemplos exemplares. Uns e outros países aí, inclusive, talvez não conheçam uma vaca em pé, como nossas crianças urbanas, que acham que galinha existe apenas na forma congelada e em gôndolas de supermercados.

Segundo nossas preocupadíssimas autoridades, apenas vinte por cento da produção de proteína animal, como gostam de dizer os técnicos do assunto, são exportados. Nós mesmos comemos os outros oitenta por cento, grande parte disso pelo povo gaúcho, com sua irrefreável paixão por uma carne churrasqueada, tchê!

Deste modo, se se baixar o preço em vinte por cento, os brasileiros, que jamais fogem à luta, se comprometem a comer os outros vinte por cento, e ninguém ficará no prejuízo. Não se fecharão frigoríficos, não se perderão empregos, aumentar-se-á – como é do vezo do presidente falar – também o consumo de cerveja, e o governo não deixará de recolher seus queridos impostos. Até o povo da propina poderá manter seu gordo e lucrativo cala-boca, o faz-me-rir, o pixuleco, na santa paz do jeitinho brasileiro de fazer as coisas.

Resultado de imagem para churrasco de chão

Imagem em youtube.com.

CONSELHOS, OBSERVAÇÕES E ELUCUBRAÇÕES INÚTEIS

1. A melhor forma de desenformar um bolo de uma forma quente é desta forma: coloque a forma quente numa forma de forma maior em que se coloca água, de forma que a forma quente entre em contato com a água fria na forma até então vazia, até que se forme uma camada fria na forma que enforma o bolo. Desta forma você pode desenformar o bolo. Fácil assim!

2. O Brasil é um país tão engraçado, que dá oportunidade a que um partido assuma o governo com o compromisso de moralizar a coisa pública e saia mais desmoralizado do que entrou. E o seu sucessor, com o mesmo propósito, segue na mesmíssima batida.

3. Na crise brasileira, o fundo do poço é tão mais profundo, quanto mais a crise se aprofunda, de modo que, um dia, ainda vamos dar no Japão.

4. Gato tem sete vidas apenas para aporrinhar várias gerações de seus donos.

5. Todo bichano é bicho, mas nem todo bicho é bichano.

6. Algumas igrejas aí produzem tantos milagres por dia, que até Deus desconfia.

7. Contrariamente ao que seria de se esperar, no Jalapão não há jalaponês.

8. Já disseram alhures que a vida pública no Brasil é uma privada. Que merda!

9. Vários homens públicos brasileiros estão mais desmoralizados do que a mãe que o vulgo lhes atribui e cuja vida já é bastante desmoralizada.

10. Diz-me com quem fazes aliança política e te direi quem te trairá.

11. O objetivo básico de todo governo é recolher impostos. Todo o resto é acessório.

12. A crise econômica brasileira chegou a tal ponto, que levou os dirigentes da CBF a inventarem, para a Copa do Brasil deste ano, o empate que ganha jogo. Aí se economiza a partida da volta.

13. Contrariamente ao que preceitua o texto bíblico, os últimos continuarão lá na rabeira da fila.

14. Pelo menos, pelo que a ciência ictiológica sabe, a traíra não trai, o lambari não lambe e o sairu não sai. Já o pacu…

15. Os coveiros podem fazer quantas greves quiserem e puderem, que nós vivos continuaremos sem lhes dar o menor apoio: continuaremos a morrer do mesmo jeito.

16. Aprendi a ser uma pessoa conformada. Na infância sempre ouvia dos adultos, diante das dificuldades, que desgraça pouca é bobagem. Até hoje continuo acreditando nisso.

17. O único abatimento concreto no Imposto de Renda é o do contribuinte ao fazer a declaração anual de ajuste.

18. Sempre que uma dúvida o assaltar, faça um BO numa enciclopédia, ou no Google.

19. Bem-aventurados os que ainda podem comer uma feijoada completa, sem necessidade da posterior e salvadora dose de bicarbonato de sódio.

20. Todas as minhas taxas estão controladas. Menos IPTU, IPVA, ICMS, IR, IPI, ITR   , IVA e até uma tal CCCCN (Contribuição à Comissão Coordenadora da Criação do Cavalo Nacional).

21. Um crime tripamente qualificado é produzido pelo vatapá estragado que produz o chamado piriri-gangorra.

22. O que complica a vida moderna é a quantidade de especialistas dando dicas de como bem viver. Ninguém consegue acompanhar tantas boas orientações!

23. Nunca se vê, em campanhas promocionais de clínicas de beleza, uma pessoa idosa que tenha rejuvenescido. Sempre há uma bela jovem, de corpo escultural, a garantir a eficiência do tratamento de que ela jamais fez uso.

24. Para piorar a solução de qualquer problema, é só instituir uma comissão de alto nível para resolvê-lo.

25. As grandes invenções da humanidade sempre foram obras solitárias de uma única mente brilhante. O que não funciona direito foi bolado por um grupo de trabalho.

26. Tenho verdadeira ojeriza a conselhos e orientações edificantes. Não é que eu saiba errar sozinho. Até para isso preciso de ajuda. Mas é como dizia meu primo: se conselho fosse bom, seria vendido.

 

Imagem relacionada

Abrahan van der Hecken, O filósofo (1635). Museu do Prado, Madri.