PÊSSEGO SOLTA-CAROÇO

Lá por volta do fim dos anos sessenta e princípio dos setenta, alguns camelôs do centro de Niterói apregoavam com suas vozes estridentes uma fruta chegada do Chile. O destaque do pregão consistia no fato de que seu caroço era facilmente extirpado do fruto:

– Pêssego solta-caroço! Olha o pêssego solta-caroço!

Fosse ou não saboroso, o que importava para o sucesso da venda era a facilidade de se descaroçar o pêssego. Eu mesmo nunca soube que tais pêssegos fossem assim tão facilmente descaroçáveis.

Isso me voltou à memória, porque acabei de comer um desses, adquirido numa quitanda metida a besta, em que a indicação era apenas a de ser importado: pêssego importado. E imagino que, do Chile.

E lá vai a memória para o mercado de Antofagasta, cidade ao norte daquele país. Era janeiro de 1976. Éramos Jane e eu, recém-casados, e Eduardo e Marília, nossos parceiros de viagem, e também mais um jovem casal paulista que encontramos ao acaso no Peru, sendo a menina uma linda nissei que chamava a atenção de muitos chilenos, admirados dos seus olhos de amêndoa.

Não me lembro por que indicação chegamos ao mercado, uma construção em ferro razoavelmente grande, numa elevação diante do mar, cheia de bancas dos mais variados produtos.

Ao entrar, tivemos nossa atenção despertada para a banca de pêssegos. As frutas perfumavam o ambiente com seu cheiro doce. Tinham a casca aveludada na cor ouro velho e a consistência suavemente firme. E o melhor: custavam apenas dois pesos chilenos, que àquela altura equivaliam a dois cruzeiros, a dúzia.

Compramos algumas dúzias e fomos comê-los no gramado em frente, onde nos sentamos sobre a relva.

Quando nos deliciávamos com o sabor da fruta, com o panorama do Pacífico ao fundo, aproximou-se de nós um jovem chileno desconfiado. Era magro, cabelos lisos e as feições dos primeiros habitantes da terra. Descobriu que éramos estrangeiros e logo perguntou se seríamos espiões do governo Pinochet, cuja ditadura andava metralhando automóveis que circulassem após o “toque de queda”. Dissemos que não, que éramos brasileiros, gente boa e pacífica como o oceano logo ali. Mas ele disse que isso não importava, já que os generais brasileiros haviam ajudado Pinochet a tomar o poder no Chile. Após a troca de algumas frases, confiando em que não fôssemos realmente agentes infiltrados, aproveitou para debulhar um rosário de lamentações acerca da sua situação e da do seu povo, uma tribo autóctone que habitava terras abundantes em cobre, o que motivou a dispersão da população, em vista do interesse econômico na exploração do mineral.

Era ele uma pessoa simples, quase sem estudos formais, que vivia da caridade do Exército da Salvação e de uma ou outra ajuda que conseguia de estranhos em troca de algum favor. Mas nos deu uma aula de sociologia e política, apenas com a história que nos contava sobre as mazelas por que passavam ele e seu povo.

E ficamos ali, os seis brasileiros, a ouvir, embasbacados, as lamentações do chileno, expulso de sua terra, para que a exploração de cobre deslanchasse.

O pêssego ganhou certo travo amargo, como se isso fosse possível. Entretanto, até hoje, mesmo com essa memória dolorida do encontro com o indígena chileno, nunca mais comi um pêssego com tal sabor.

E nem me lembro se aquele pêssego de 1976 soltava facilmente o caroço. Talvez não. O caroço duro e irremovível que restou foi a história cruel daquele jovem e de seu povo, que nunca mais saiu de mim.

Resultado de imagem para pêssegos

Imagem em belezaesaude.com.

Anúncios

GOL DE PORCO

O campo do Fluminensinho margeava bem junto do Rio Itabapoana, do lado do Estado do Rio, próximo à charqueada.

Era meramente um espaço demarcado num gramado um pouco mais amplo, decorado com duas balizas de madeira simples e escassa marcação das linhas regulares dos gramados oficiais. E tinha dimensões acanhadas para os padrões atuais.

O Fluminensinho mesmo não fazia parte da chamada elite do futebol bonjesuense e disputava seus esporádicos jogos, quase sem plateia, lá uma vez e outra. Torcida mesmo, acho que também não tinha. Assim como sede, ou uniforme completo. Seus jogadores não jogavam em nenhum dos dois clubes importantes das duas Bom Jesus, o Olímpico, do lado fluminense, e o Ordem e Progresso, do lado capixaba. E seus abnegados atletas de ocasião se cotizavam sempre que surgia despesa com bola, rede, cal, pinga, carne para churrasco e cerveja.

No entanto o Fluminensinho disputava partidas, com todas as consequências inerentes a este antigo e viril esporte bretão.

Num desses jogos, contra um certo time Tupi, de plagas adjacentes a Bom Jesus, a disputa seguia ferrenha, mas sem que nenhuma das equipes tivesse ainda furado as redes do adversário. No Fluminensinho, dois jogadores se destacavam. Nem tanto por suas habilidades com a redonda, mas antes por sua compleição física, digamos, um tanto avantajada.

Um era o Absoluto, negro alto, dobrado da cintura para cima, que trabalhava como carregador e descarregador de caminhões, para o comércio local. Dizia sua mitologia da época que ele era capaz de transportar quatro sacos de sessenta quilos de uma só vez: um na cabeça, um sob cada braço e o quarto nos dentes. Tirante isso, era um homem cordial, de muito bom humor e prestativo para quem dele necessitasse. Também com aquela massa muscular, não havia ninguém que tirasse farinha com ele!

O outro era o Nivaldo. Mulato também dobrado, entregador de banda de boi do matadouro da cidade, a qual ele carregava nas costas com uma facilidade tão grande, que parecia transportar fardo de algodão. Nivaldo tinha um bigodinho estreito a fazer comichão na platibanda do beiço, o que lhe dava aspecto de cantor de boleros e sambas-canções na guaxa localizada um pouco mais acima do mesmo rio. Mas também ninguém tinha coragem de dizer isso em público ou em privado.

Os dois, Absoluto e Nivaldo, compunham a dupla de ataque do Fluminensinho, de modo que todo e qualquer adversário já entrava em campo com metade da razão perdida, na discussão de possíveis erros e acertos de arbitragem. Mas eles não entravam para brigar, e sim para jogar sua bolinha descompromissada dos fins de semana.

Pois ia lá o jogo empatado até quase o final da partida, quando um meio-campista lança a bola na direita, para a entrada em profundidade do Absoluto, que disparou no espaço aberto. Quando ele lá chegou, em sincronia com a pelota, inadvertidamente adentrou o gramado do Fluminensinho distraído leitão, proveniente dos lados da charqueada, fugindo da corrida de um cachorro vira-lata. O pobrezinho coitado, na inocência dos seus seis quilos e pouco, entrou no ângulo da linha da bola e do pé do Absoluto, naquela confluência em que, se atingida, dela não se escapa, e foi pego no vazio pelo pontapé potente do atacante tricolor. E voou ele, na mesma curva que faria a redonda se lá estivesse, em direção à área, para onde, também como um corisco, se precipitava Nivaldo e toda a sua pessoa dobrada. Nivaldo chegou no exato instante de meter a cabeça no mamífero artiodáctilo doméstico, da família dos Suídeos, e mandá-lo ao fundo das redes e assim assinalar o primeiro e único gol suíno de que tenho notícia, em setenta e poucos anos de causos e histórias.

E o Fluminensinho venceu mais uma emocionante contenda. Só o artilheiro não conseguiu ir até o fundo das redes pegar a bola e beijá-la, porque àquela altura o porquinho fugia grunhindo, em desabalada carreira na direção do vira-lata.

    Imagem obtida na Internet.

CERTOS TIOS

Meu conterrâneo real e amigo virtual Jonatas Nascimento confessa em público pelo Facebook que lá pelos seus verdes anos, quando ainda morava em nossa vilazinha natal, era vizinho de um certo Tijorge, que era a forma como se diz comumente aquilo que seria Tio Jorge, com a aglutinação do título ao nome. Só mais tarde, ainda segundo ele, descobriu que o tal vizinho não era tio, o que, no entanto, sofreu uma reviravolta porque, aí bem mais tarde, soube que aquele Jorge que havia sido e deixado de ser tio era, na verdade, tio por afinidade, por ser casado com uma irmã de sua avó. Na vila, dizia-se, nesses casos, tio emprestado. Então justificava-se o Tijorge, como ele fora inicialmente chamado.

E isto é interessante observar, pois na Carabuçu da minha infância (Com certeza, sou um pouco mais velho que o Jonatas!), não havia o hábito de se chamar tio/tia às pessoas mais velhas. Tal denominação era restrita àqueles que, por consanguinidade ou por afinidade, fossem “realmente” tios/tias. Às demais pessoas, as crianças chamavam de Seu Fulano e Dona Cicrana: Seu Valdemar e Dona Tana, por exemplo, nossos vizinhos de frente.

Também ocorria não tratarmos por tio alguns tios reais, pela pouca diferença etária para nós, como no meu caso os tios Paulo, Louro e José Catarina, o Cate. Eles mesmos dispensaram os sobrinhos de assim se dirigirem a eles, inclusive com a solicitação de bênção, tão comum à época:

– Bença, tio! Bença, tia!

O mesmo ocorria com minha mãe. Dos diversos irmãos de sua mãe, apenas o mais velho merecia tal tratamento, talvez pela mesma razão como acontecia comigo: o João, que ela e os demais chamávamos de TitiJoão, era seu tio mais velho. Os demais ela os tratava apenas pelo nome ou o apelido: Raul, Carlito, Cícero, Tônio, Chiquito e Tieca.

Relativamente a este último, meu tio-avô Tieca, que dizíamos Titieca, certa vez ocorreu um fato interessante. O vigário da paróquia de Bom Jesus do Itabapoana, Padre Francisco Apoliano, que, uma vez por mês, atendia à capela da vila, precisava da autorização do meu tio, cuja casa era vizinha ao pequeno templo, para a instalação de um novo e mais poderoso sino, justamente situado na divisa com seu quintal. Para facilitar as coisas, foi falar com nossa prima Juracy, que sabia ser sobrinha dele, para que falasse com o “Sr. Eca” sobre o assunto. Juracy sorriu e explicou para ele que o nome, ou antes, o apelido do tio era Tieca, e não Eca. O padre então disse que ele não era seu tio e achou muita graça com a confusão, pois imaginava que, quando a ele se referia, já se fizesse a aglutinação de tio a Eca, como era comum ao nosso jeito de falar.

Tal também era a percepção que Jonatas tinha do nome do meu tio-avô, como disse na sequência do diálogo que mantivemos, por esses dias, pela página do Facebook.

Por isso é que Jonatas, quando criança, alimentasse a esperança de, no dia em que fosse ao Rio de Janeiro, encontrar por lá um certo parente seu a que sempre em sua casa se faziam menções: Tijuca. Talvez até mesmo irmão do Tijorge. Sabe-se lá!

Imagem relacionada

Imagem em venturesquare.net.

DO LEITE E SUAS CONSEQUÊNCIAS: O PUDIM

O leite, malgrado ser um dos alimentos mais completos, sobretudo se for o materno em relação ao filho, é muito mal falado. Dizem misérias dele pelo tanto de complicações que algumas pessoas sentem ao ingeri-lo. Cheguei mesmo a ouvir de certo médico, no programa Sem Censura, da TV Brasil, há algum tempo, que o ser humano adulto não deveria beber leite. Mesmo sem ser especialista, achei uma estupidez o que ele disse. A seguir tal raciocínio, o ser humano não deveria beber cerveja, vinho, cachaça, conhaque, vodca, tequila, pisco, suco engarrafado, água mineral gasosa, dentre outras coisas que ingerimos, vida afora.

Li que cientistas e pesquisadores tinham chegado à conclusão de que a ingestão de leite por povos africanos ancestrais, que domesticaram o gado bovino, é o que tinha promovido a proliferação de seres humanos no planeta. A ingesta de leite os tornou mais fecundos.

Os tais cientistas e pesquisadores chegaram a estabelecer, após pesquisa exaustiva, o grau de tolerância ao leite em diversos povos e chegou à constatação de que os suecos, que guardam o mesmo DNA ancestral africano, são os mais tolerantes: quase a totalidade da população ingere o alimento ou produtos que o tenham em sua composição, sem qualquer espécie de estranhamento orgânico.

Contudo sabemos que a natureza dispara nos mamíferos, após determinado período inicial de suas vidas, um dispositivo para que eles deixem de tomar leite. Isso é compreensível, já que promove o desmame de um filhote, em benefício  do próximo a nascer. Caso contrário, a perpetuação da espécie seria comprometida pelo agarramento às tetas maternas, sempre tão generosas, como se pode constatar.

Ora, ao chegar ao desmame, o organismo do mamífero informa que ele não aceita mais leite. Daí a tal intolerância ou mesmo a alergia à lactose que ocorre em seres humanos.

Entretanto, na história da formação e expansão do gênero humano sobre a face do planeta, os referidos estudos indicam que os povos que haviam domesticado o gado redescobriram que o leite era uma excelente fonte alimentar e, aos trancos e barrancos, com o passar do tempo, forçaram o organismo a aceitá-lo novamente. Isso levou tais tribos a uma capacidade reprodutiva maior que as tribos que não tinham o leite como alimento. E acabaram se espalhando pela Terra, a partir da Mãe África. Certamente desses povos descendem os europeus e, consequentemente, alguns de nós, senão todos, aqui abaixo do Equador.

A expansão para terras cada vez mais ao norte foi provocando o clareamento da pele, a fim de que os raios solares, mais brandos no Setentrião, pudessem fixar a vitamina D necessária ao organismo humano. Aí a razão dos nórdicos branquinhos, em contraste com seus antigos irmãos de pele tisnada, cheia de melanina

Pode-se pensar, então, que o fato de tolerar ou não o consumo de leite divide os seres humanos em mais modernos e mais primitivos. Eu, por exemplo, sou moderno. Meu netinho Francisco, de cinco anos, é mais primitivo, porque tem intolerância à lactose. E, por isso, se priva de um sem-número de produtos feitos à base de leite. Como os maravilhosos queijos! Imaginem mineiros, franceses e holandeses impedidos de comerem seus queijos extraordinários!

No entanto a ciência já conseguiu produzir um remédio que, ingerido antes, permite que, nas duas horas seguintes, os intolerantes ao leite possam apreciar a vasta gama de produtos que o contenham. É o que se deu com o Francisco nesses últimos dias. Sua mãe, em viagem à Alemanha, encontrou lá o tal remédio e o trouxe. Ver o Francisco se deliciar com seu primeiro doce de leite pastoso foi de emocionar. Ele ficou numa alegria indescritível. E o que dizer do seu prazer em comer chocolate ao leite! Agora, sempre que há a possibilidade de se encontrar com um desses produtos com leite, o pequeno já pede que se lhe dê o remedinho milagroso.

Por uma dessas é que fico a imaginar a hipótese de a Ciência também desenvolver uma pílula que permita aos intolerantes ao açúcar, como eu, poderem voltar a sentir o paladar inenarrável de uma deliciosa fatia de pudim de leite, talvez a consequência mais avassaladora que esse tão mal falado líquido produza, em termos de confeitaria. E eu voltarei a experimentar a alegria que o Francisco teve ao se deliciar com seu primeiro doce de leite.

 

Resultado de imagem para pudim de leite

Imagem em gshow.globo.com.

PREVISÕES IMPREVISÍVEIS DE PAI PRUDENÇO PARA 2018

Saravá, zifio e zifia! Tumém entrei nessa tar onda do politicamente correto. Ninguém vai pudê dizê que num prest’enção nas coisa.

Trazo aqui as minha previsão para 2018. Quero qu’ocês bote sentido no que vô dizê, pra despois num vim chorá nos pé de Pai Prudenço, requereno socorro espirituá. Despois do trem obrado, fica difice das entidade desobrá.

Aqui vai as treze previsão de carate gerá para o ano que evém aí:

  1. Quarqué previsão que o mundo vai acabá por causa duns meteoro, num vai! É tudo prosa, conversa fiada de quem num tem nada mió que fazê e fica espaiano cagaço ni suncês. É só deixá que as autoridade mesmo se encarrega da desgracera toda.
  2. Os preço vão subi, mas o governo vai dizê que tá baixano. Aí é só suncês conferi as merreca no fim do mês, pra vê onde tá a verdade. Se suncê num é político, num vai sobrá nada no seu salaro.
  3. Vai caí avião; vai afundá navio; vai descarrilhá trem; vai trombá carro uns nos outro; vai pipocá curisco e trovejo no varejo e no atacado; vai dá enchente e secura: aqui, ali e aculá. Cada quar tem de segurá sua onda, senão num empracá 2019.
  4. Vai morrê um monte de vivo. Uns famoso, otros desconhecido. E o mundo vai continuá dano seus sacolejo no espaço siderá sem nem querê sabê.
  5. Uns vão casá, otros vão separá. Otro tanto vai ficá só no tico-tico no fubá. E uma montoera de menino-hômi e menina-muié vai continuá nasceno sem pai, nem mãe. E sem escola, sem saúde e sem inducação tumém.
  6. Quem tive pranejano arguma coisa boa pra 2018 é mió despranejá. O trem vai tá feio! E num tem prano que reseste!
  7. Vai aparecê mais político honesto no Brazi. É só a Puliça Federá apertá o cerco, que vai brotá honestidade de todo lado. Vai parecê busca-pé em festa de São João.
  8. A tar Copa da Russa não vai dá pra nóis. Nóis só vão lá passeá e tumá umas vodka e comê um tar de caviá. Nóis num tá cum nada nesse tar de futebó, des que aquele minino gorducho pindurô as chutera.
  9. É mió os time do Rio de Janero tumá tenença no campeonato nacioná, que senão eis cai do cavalo e vão batê na segundona.
  10. O vampirão vai continuá cos dente na jugulá de suncês, inté chupá o sangue todim. Mas suncês vão resisti, causa que precisa pagá mais imposto pra sustentá eis lá em riba.
  11. No finá do ano, vai acontecê o tá de Fora Teme! Dia primero de janero de 2019 já tem otro espertaião comandano o país. Suncês num perde por esperá!
  12. Quero chamá atenção de suncês para as inleição do ano que vem. Se continuá votano do que jeito que evém votano, nada vai mudá.
  13. No prano internacioná, tudo vai ficá na merma batida. Não tem previsão de miora de nada. Pode mermo é piorá, que é mais fáci que miorá. Nóis semo mais programado pra fazê merda, do que pra fazê a coisa certa.

Despois num diga que num avisei!

Inté!

Pai Prudenço refletindo sobre o próximo ano.

FANTASMAS

Esta também me foi contada por meu sobrinho Bruno, médico num hospital em Muriaé.

Como ocorre, morrem pacientes em hospitais, que não conseguem salvar a vida de todos que deles se socorrem. Ora, se há mortos, há almas, espíritos, ectoplasmas, fantasmas a rondar esses lugares de sua última morada na Terra. Assim creem muitas pessoas. Então, lá no hospital onde ele trabalha, há notícias de fantasmas de antigos pacientes apegados àqueles locais, como referem alguns funcionários. E nisso acredita piamente o Genival, auxiliar de enfermagem encarregado de cuidar dos pacientes que morrem.

Genival, com seus quarenta e poucos anos, é uma pessoa simples, que mora numa espécie de chácara, um pouco afastada da área urbana. Profissional eficiente a executar sem assombro sua função de tanatopraxista, tem, no entanto, verdadeiro pavor de ir até o necrotério da instituição. Prepara os corpos tranquilamente, mas pede com veemência que não seja obrigado a conduzir o cadáver até as gavetas daquele espaço sombrio. Alguém que faça aquilo por ele!

Certo dia, contudo, como não houvesse colega a fazer o traslado do corpo, foi ele obrigado a levar os restos mortais até o local. Apreensivo, foi empurrando a maca com o de cujus inerte, de canelas espichadas, como  sói acontecer. Chegou lá com os olhos semicerrados, a fim de não ver o que teme, abriu a gaveta e lá depositou o morto, tão rapidamente quanto possível.

Ao virar as costas e tomar o corredor de volta, viu vindo em sua direção o morto, a caminhar em passos lentos, mas firmes. Sem mais essa ou aquela, sofreu uma tontura tão vertiginosa, um escurecimento das vistas, o mundo a rodopiar à sua volta, que teve de se agarrar à parede como uma lagartixa, antes que desabasse no chão quase imaculado do nosocômio. O “morto “, pressuroso, ainda o ajudou a se levantar e disse a ele, à medida que Genival se refazia do susto com a aparição:

– Escorregou?  Bom dia! Eu sou irmão gêmeo do morto e vim aqui providenciar o enterro dele.

Por um triz, quase que Genival também vira fantasma!

 

Resultado de imagem para fantasma

Imagem em es.vexels.com.

LOST WORLD (MUNDO PERDIDO)

O título desta crônica está em inglês, porque o assunto vem dos Estados Unidos, e eu quero mostrar que também sei um pouco da língua do Pato Donald.

Li, com um misto de estarrecimento e bacon, a notícia de que uma jovem prostituta americana, de carinha cândida (Pelo menos, é o que pude sentir por sua foto na matéria.), de apenas vinte e um anos, deu dois tiros na cabeça do seu cliente, sob a alegação de que ele não sabia fazer o famoso cunilingus.

O infausto cliente, que ainda teve a sua carteira roubada pela jovem, após se safar de ir para a cidade dos pés juntos, estava um tanto aéreo, sem saber o que de fato lhe tinha acontecido.

Presa, a mocinha explicou ao xerife que atirou apenas porque não sabia como dizer ao homem que ele estava fazendo tudo errado.

Imagine se, sempre que alguém não souber dizer ao outro aquilo que deseja, resolva despejar sobre o interlocutor uma saraivada de balas? É uma coisa de doido!

Acho bastante factível que seja possível errar o alvo nesses momentos. A pessoa fica excitada, nervosa, e a pontaria nunca sai perfeita. O homem, e não a mulher, lógico! Mas o amigo leitor há de convir que é estranho que uma prostituta fique chateada com o equívoco. A não ser que ela quisesse, de fato, praticar o ato com todas as suas consequências gozosas, prazerosas e, por que não dizer, libidinosas. Pelo que se sabe, o serviço é sem emoção. Mais ou menos como um funcionário público metendo o carimbo num requerimento qualquer.

No entanto, sem conhecer a tabelinha orgânica da moça, fico a imaginar que ela estivesse na tal fase da TPM. É que há algumas mulheres que, no auge da crise, são capazes de dar tiro a esmo, até por motivos de somenos importância. E o infeliz do cliente contratou o serviço da jovem justamente durante o clímax desse incômodo e quase pagou com a vida por um pequeno erro de cálculo. Ou de execução!

Por isso é que aproveito também para alertar os possíveis viajantes àquele país que o nome da moça é Marissa Wallen e presta seus serviços na cidade de Washington. Acho que até bem próximo à Casa Branca. Ou White House, na língua de Donald Duck e Donald Trump.

Este mundo está mesmo perdido!

Take it easy, man!

Imagem relacionada

Imagem em dreamstime.com.

———-

PS: Se quiser ver a notícia, clique aqui.