COM ELEIÇÃO, O BURACO É MAIS EMBAIXO

Quem votou votou; quem não votou não vota mais. Esta frase está totalmente errada, se aplicada a diversas cidades do país, como Niterói e São Paulo, por exemplo.

Fui lá, cumpri meu dever cívico e meu direito de abestado, e o que é que deu? Terei de voltar daqui mais uns dias para repetir o voto. Para aprender a votar. Dizem por aí que é para aperfeiçoar o processo de escolha. Como dizia uma colega de trabalho: possa ser, possa ser!

Porque eleição é assim mesmo: você pensa que vai lá e pam! Mas foi lá e pum! Não deu certo da primeira vez. É mais ou menos como a NASA lançar foguete: há determinados foguetes que se recusam a subir e explodem um pouco depois da largada, o que obriga a agência recomeçar tudo outra vez.

Mas eleição é uma boa ocasião para a gente não fazer nada. E, melhor ainda, é acordar mais cedo e correr para a sessão eleitoral, votar, sair de cabeça erguida, para dizer àquele monte de cabo eleitoral fazendo boca de urna: já votei, já votei. E vê-los recolher o braço estendido com os inúteis santinhos de seus candidatos. Agora Inês é morta, mané!

Então depois você sai com a consciência pesada por ter votado em alguém que, daí a algum tempo, poderá aprontar das suas e, consequentemente, responder a CPIs, a processos judiciais. É que todos são muito bonzinhos antes da eleição, mas depois a maioria se revela… Bem, deixa pra lá!

Mas eu lhe pergunto, caro leitor: e haverá outra saída civilizada para qualquer país que não seja através da participação nas eleições?

Por isso, voltemos lá e votemos novamente.

Até que aprendamos a eleger pessoas com um pouco mais de responsabilidade e vergonha na cara. Pois, no fundo, no fundo, nem todos somos iguais. E político deve ser assim também: haverá os que se salvam.

Para terminar, só uma observação: e o Russomano em São Paulo? Despencou como um balão apagado. Fez lembrar certa candidata ao governo do Estado do Rio de Janeiro, em 1982, Sandra Cavalcanti, do PTB de Ivete Vargas. Antes da eleição, desfilava como a futura governadora, baseada nas pesquisas eleitorais. Brizola entrou no páreo e a derrotou, e também a Lysâneas Maciel (PT), Miro Teixeira (PMDB) e Moreira Franco (PDS).

É que, com eleição, o buraco é mais embaixo!

 

Imagem em meninosdecumbica.blogspot.com.