MIRACEMA DE SABORES

Jane e eu voltamos a Miracema neste último feriadão. Depois de alguns meses, estava contando em voltar ao bar do Marquinhos para me deliciar com a arte da cozinha trivial da esposa dele, dona Eliane. Inclusive preparei meu espírito, que sempre orienta o paladar, para o jiló recheado e a joelho de porco. Era sexta-feira, o dia em que tais iguarias entram no exíguo cardápio do pequeno botequim. O restante do paladar, esquentado por pinga e pimenta, fica por conta da conversa fiada tradicional que esse tipo de ambiente propicia. Fiquei só na saudade. Ao encontrar uma amiga, companheira certa dessas libações, ela me disse que o casal proprietário estava de férias, portanto o estabelecimento estava fechado. Pensei até em enfiar sob a porta de aço um recado malcriado, manifestando minha frustração. Melhor, não!

Pois não é que outra amiga a quem falei do fato me disse que havia um outro bar muito bom, com serviço atencioso e comida de primeira qualidade.

Aqui devo fazer um parágrafo. Quando digo comida de primeira qualidade estou a dizer da comida tradicional do interior, sem sofisticação, sem modismos, mas feita com carinho e competência, o que eleva seu sabor ao máximo.

À noite do dia seguinte fomos ao tal bar, LC Hamburgueria e Cia., numa rua perpendicular à Rua da Laje. O lugar é pequeno, limpo, com as paredes decoradas por fotos bem feitas de alguns pratos preparados pelas mãos habilidosas da proprietária, Lúcia.

Éramos quatro: as duas amigas miracemenses Aparecida e Branca, Jane e eu. Enquanto examinávamos o cardápio, pedimos a cerveja, que veio no ponto exato do gelo, sem exageros. Depois de alguma hesitação entre a variedade de ofertas, optamos por meia porção de língua recheada. E ficamos bebendo e conversando, contando causos e rindo de histórias mirabolantes que uma e outra referiam. Até que veio o petisco. Estou para dizer aos amigos leitores que jamais, em tempo algum, comi uma língua com tal paladar. Nem mesmo a que Haroldinho oferecia em seu bar, lá pelos anos 90 em Bom Jesus do Itabapoana, uma maravilha ao paladar, se igualava a esta que comemos no bar da Lúcia. Mergulhadas num molho à base de tomate, com finas fatias de cebola roxa crua e temperos verdes, os nacos de língua estavam tenros, no ponto certo, na consistência exata e com um paladar excepcional. Era só colocá-los na torrada que acompanha o prato, acrescentar uma ou duas gotas de pimenta malagueta e sentir a boca ser invadida por um sabor inesquecível.

Aparecida, amiga da Lúcia, ainda pediu que ela viesse até nós, para que pudéssemos agradecer aquela experiência marcante.

Miracema tem dessas coisas: a simplicidade elevada ao seu mais alto grau de prazer.

Imagem relacionada

Obelix e Asterix, criação de Goscinny e Uderzo (em mojtv.net).

EM MIRACEMA (II)

Em Miracema
Quando você não tiver mais nada a fazer
Escreva um poema
Assim a esmo
Ou então mate um porco
E faça linguiça chouriço e torresmo
E dê a tarefa por completa
Quando recitar os versos entre conversas
Palavra molhada língua solta
Às gargalhadas
Com a última patacoada
Do parceiro que divide com você
O líquido sabor de uma cerveja
Umbigo encostado ao balcão do botequim

E que assim seja!

 

Árvore ao pôr do sol em Miracema (foto do autor).
Árvore ao pôr do sol em Miracema (foto do autor).

 

ÀS VEZES VOU, MAS VOLTO

Estou sempre indo para Miracema e Bom Jesus do Itabapoana/do Norte. Minhas viagens são demoradas. Minha pressa é tranquila, embora às vezes corra. Mas paro sempre. Para um café, para espichar as pernas, tirar água do joelho, almoçar, e ver, fotografar. Na ida e na volta, quase sempre. É que não tenho muitas urgências mais. Isto torna a viagem, que é sempre rotineira, mais prazerosa. E costumo trocar o itinerário. Vou por um caminho, volto por outro. Então colho alguns cenários que nunca me canso de ver. Até porque a natureza está sempre aprontado alguma. Aí estão alguns deles. (Clique nas fotos para ampliar.)

Angicos à margem da RJ-116, próximo a Cordeiro.
RJ-116, próximo a Cordeiro: Angicos.
Pôr do sol em Itaocara, a partir da ponte sobre o rio Paraíba do Sul.
Pôr do sol em Itaocara, a partir da ponte sobre o rio Paraíba do Sul.
Pôr do sol na ES-484, em direção a São José do Calçado.
Pôr do sol na ES-484, em direção a São José do Calçado.

 

Vista a partir do Alto do Soberbo, Teresópolis-RJ.
Vista a partir do Alto do Soberbo, Teresópolis-RJ.

 

Linhas de transmissão da luz solar (ES-484, próximo a São José do Calçado).
Linhas de transmissão da luz solar (ES-484, próximo a São José do Calçado).

PÔR DO SOL EM MIRACEMA

Andei por Miracema neste fim de semana. Voltei de lá hoje.

Sábado, no finzinho da tarde, percebi que o sol poderia produzir um espetáculo digno de admiração. Peguei a câmara fotográfica, entrei no carro e fui atrás do pôr do sol.

Miracema está numa espécie de vale, com alguns montes não muito altos ao seu redor. Nem sempre é possível flagrar este fenômeno de qualquer lugar. Por isso a necessidade de sair-lhe à cata.

Depois de tentar a saída em direção a Laje do Muriaé, resolvi voltar e ir em direção a Palma-MG, justamente localizada em direção ao poente.

A estrada para Palma, a RJ-200, sobe um pouco, mesmo antes da divisa com Minas Gerais. De um ponto qualquer, percebi que ali seria o lugar ideal para que ainda conseguisse pegar o finzinho do espetáculo.

Subi nas tábuas de uma porteira para fazer a foto abaixo.

Parece que saiu legal. Espero que gostem.

Miracema pôr do sol 20131026_174502[1]

NOTAS ESPARSAS

Desenho de Diogo, em blogs.estadao.com.br.

1. O MILAGRE DO MALUF

Maluf é um homem extraordinário!

Alçado à política durante a ditadura militar, a qual apoiou sempre e dela se nutriu, passou o tempo todo sendo alvo de denúncias diversas, sobretudo quanto à lisura no trato com o dinheiro público. No Brasil, passa incólume por polícia, ministério público e justiça. Nem mesmo o grito de “pega ladrão!” o incomoda. É um homem honrado.

Contudo, há cerca de três anos, não pode pôr os pés fora de seu querido país, pois tem mandado de prisão da Interpol, a polícia internacional que caça todo tipo de criminoso que circula por aí. Agora, para acrescentar mais uma cereja a seu bolo de merda, a justiça das Ilhas Jersey o condenou a devolver dez milhões de dólares que mantém em bancos daquele paraíso fiscal, porque chegou à conclusão de que tal soma foi obtida por corrupção, em desvio dos cofres públicos.

A justiça das Ilhas Jersey é mais ciosa com o erário brasileiro, que a justiça tupiniquim.

Vejam, então, o poder do Maluf: conseguiu fazer funcionar a justiça de um minúsculo país a milhares de quilômetros daqui. Só que deu azar: funcionou contra ele mesmo.

2. ALKIMIN E OS PROBLEMAS ALHEIOS

Alckimin, aquele governador tipo gelatina sem sabor, está chateado com a campanha contra São Paulo, armada pela mídia, que vive divulgando a carnificina que ocorre, sobretudo, na Grande São Paulo. Segundo ele, o número de ocorrências está dentro do aceitável, já que na área metropolitana, onde moram 22 milhões de pessoas, isto é perfeitamente previsível.

Acho que o Alckimin ficou doido. Quer transferir para os meios de comunicação os problemas da cidade e do estado, fingindo que a normalidade reina em terras da garoa.

3. O MINISTRO PERIGA MORRER

O Ministro da Justiça deste nosso estranho país periga morrer. Declarou, dias atrás, que prefere a morte a ir para uma prisão brasileira.

Isto, no entanto, só foi declarado depois que políticos de expressão começaram a ser condenados pelo Supremo Tribunal Federal.

As notícias sobre as péssimas condições dos presídios, de norte a sul, de leste a oeste, vêm de longe. Os governos se sucedem e empurram com a barriga as possíveis melhorias do sistema carcerário, mas nada fazem. Este ano, mesmo, da dotação orçamentária de cerca de 270 milhões de reais para o setor, apenas se aplicou 1%. É isto mesmo que você leu – não me enganei na digitação: um por cento.

Agora, vendo colegas políticos sendo condenados às grades, foi a público manifestar seu horror mortal às prisões.

Não quero chegar à postura de alguns que dizem que, se alguém não quiser sofrer o pão que o diabo amassou em nossas prisões, não cometa crime. Porém é de se pensar que, além da pena, sempre abrandada por uma série de benefícios da legislação, o condenado sofre com as condições de cumpri-la.

4. PREFEITURA DÁ O TROCO

Em Miracema-RJ, o prefeito atual, Ivany Samel, PMDB, apostou todas as suas fichas na reeleição. Estava seguro de que se reelegeria com os pés nas costas. Perdeu fragorosamente para o candidato do 22, Joedyr, que foi seu antigo colega na administração municipal há alguns anos.

Segundo as bocas de Matilde, sua derrota é atribuída à traição de Paraíso do Tobias, um dos distritos do município, e do Morro do Cruzeiro, onde mora a população mais carente.

Agora, as mesmas bocas andam dizendo que as pessoas que se dirigem à Secretaria Municipal de Saúde para retirar remédios gratuitamente são recebidas com a seguinte frase do funcionário:

– Vai pedir ao 22.

E o cidadão volta com cara de tacho para casa, mesmo que tenha votado no perdedor.

A retaliação está sendo feita contra todos indistintamente, que é, mais ou menos, como prevê o regime democrático: sem benesses para os apaniguados.

Tenho receio de que os que necessitam de fraldas geriátricas recebam pelas platibandas:

– Vá cagar no mato!