VARIAÇÕES DE UM PÔR DO SOL DESCONCERTANTE

O pôr do sol deste último domingo foi, no mínimo, desconcertante. Em postagem no Facebool, até o taxei de bafônico, mesmo sem saber a que ponto chega a carga deste adjetivo popular. Mas me pareceu assim. Das muitas fotos que fiz – e fotografia é, etimologicamente, registro da luz – da variação de luz do finzinho da tarde, trago para os amigos leitores as seis abaixo, para que notem como a natureza, quando está possuída, é acachapante. Para o bem e para o mal! (Cliquem na foto para ampliar.)

025 041 044 049 067 115

PROSPECÇÃO DE PÔR DO SOL

Flagrei, na Baía da Guanabara, algumas plataformas prospectando o pôr do sol de ontem, sábado, um pouco depois das dezoito horas. Fui até a avenida litorânea, no Gragoatá, onde se reúnem pessoas para o lazer: uns pescam peixes imaginários, outros bebem nos quiosques, alguns namoram, famílias curtem a paisagem e a brisa que, por vezes, sopra, mesmo no verão. Então fui até lá para captar esses instantes. Espero que seja do agrado de vocês.

021 025 034 050 064

2014 PRONTO PARA DESLANCHAR

pÔR DO SOL COM O ma Pôr do sol com o MAC (foto do autor).
Pôr do sol com o MAC (foto do autor).

 

Não sei se 2014 já bateu à sua porta. Na minha, entrou chutando tudo. Parece disposto a emplacar seus trezentos e sessenta e cinco dias, entre trovoadas, secas, enchentes e desvio de verbas, dentre otras cositas más.

Qualquer ano que começa está apenas no início e já parece cansado de antanho. Este não é muito diferente, embora prometa muita folgança. Aliás, muito mais do que trabalho sério, pesado, para tirar o atraso do país. Como já estou aposentado, prometo apenas não atrapalhar, visto que sou seguidor daquele sábio ditado “Muito ajuda quem não atrapalha”. E não serei eu o caroço da empada, o cravo da chaga de Cristo, a unha encravada do grande craque de futebol às vésperas da Copa. Deixo tudo por conta dos que têm algo de positivo, negativo e neutro a fazer. Minha voltagem não é mais compatível com o calibre de nossa rede de transmissão elétrica. Se, por outro lado, a minha rede armada entre dois coqueiros balançar e produzir aquele ruidozinho característico (até mesmo já usado por Lenine em uma de suas canções), dar-me-ei – com mesóclise e tudo – por insatisfeito.

De modo que essa postagem inaugural do Ano Novo, embora não tenha nada de novidade, possa contribuir para a felicidade geral da nação.

Vão em paz e sejam felizes!

Bom 2014 a todos!